O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por roubo, estupro e tentativa de homicídio foi julgado e condenado na Comarca de São Francisco do Sul nesta quinta-feira (21/10). O réu deverá cumprir uma pena de mais de 37 anos de reclusão em regime inicial fechado. 

O crime foi praticado no dia 9 de maio de 2019, por volta das 21, no bairro Rocio Pequeno, em São Francisco do Sul. O criminoso abordou a vítima na rua, utilizando uma arma de brinquedo, e a obrigou a entrar em uma casa abandonada. 

No local, pegou a bolsa dela, que tinha dentro cerca de R$ 250, telefone celular e objetos pessoais, e em seguida a estuprou. Em seguida, a fim de ocultar os crimes que já tinha praticado, o agressor levou a mulher até o matagal nos fundos da casa abandonada com intuito de matá-la.  

Ali, tentou asfixiá-la com as mãos, até que a vítima simulou um desmaio. Porém o acusado continuou com as agressões, agora com socos e chutes. A mulher, então, reagiu e conseguiu se desvencilhar do agressor, que fugiu do local. 

Conforme sustentou no julgamento o Promotor de Justiça Alan Rafael Warsch, os jurados consideraram o réu culpado por roubo, estupro e tentativa de homicídio, qualificado pelo meio cruel decorrente da asfixia e por ter sido cometido a fim de assegurar a impunidade pelos crimes anteriormente praticados. 

A pena atribuída pelo Juízo do Tribunal do Júri da Comarca de São Francisco do Sul alcançou 37 anos, sete meses e 10 dias de reclusão, em regime inicial fechado. Preso preventivamente, o réu não terá o direito de apelar da sentença em liberdade. A decisão é passível de recurso.

"Foi um crime bárbaro, cruel e que chocou a comunidade de São Francisco do Sul, que na data de hoje fez Justiça e deu sua resposta ao autor desse crime hediondo", considera o Promotor de Justiça.