O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Em Jaguaruna, uma sessão do Tribunal do Júri, que começou às 9 horas e terminou por volta da meia-noite, condenou Daniel da Rosa e João Santos a 13 anos de reclusão, em regime inicial fechado, por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. O crime ocorreu em 2013, na Estrada Geral do Arroio Corrente, quando Denilce do Nascimento conduzia sua caminhonete e foi assassinado com um tiro na nuca pelos dois réus, a quem ele dava carona. A vítima tinha apenas 33 anos de idade e deixou quatro filhos. 

A dupla então carregou o corpo para caçamba da caminhonete e seguiu com o veículo até Balneário de Dunas do Sul, 30 minutos distante da cena do crime. Lá ocultaram o cadáver e o veículo da vítima em meio à orla da praia.  

De acordo com a Promotora de Justiça Raísa Carvalho Simões Rollin, que atuou pelo MPSC perante o júri, o crime foi cometido mediante dissimulação e surpresa, que dificultou a defesa da vítima.  

"Dênis, como era conhecido na comunidade, perdeu sua vida muito cedo, mas ao final seus assassinos foram condenados. Sua família esperou muito por esse momento e fico muito grata por ter contribuído para que essa justiça fosse feita", comentou.