O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Após recorrer do primeiro julgamento, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) conseguiu a condenação de um homem por matar outro a facadas em Chapecó. O Tribunal do Júri da Comarca atendeu ao pedido do MPSC e o réu foi sentenciado a 12 anos de prisão, em regime fechado, por homicídio duplamente qualificado por meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. 

O Promotor de Justiça Alessandro Rodrigo Argenta, que atuou pelo MPSC na sessão que ocorreu na última terça-feira (16/8), explica que o réu foi absolvido no primeiro júri ao qual foi submetido, mas o Ministério Público recorreu da decisão, por entender contrária à prova dos autos. "O Ministério Público, vislumbrando equívoco na decisão proferida pelo Conselho de Sentença no primeiro julgamento, apelou ao Tribunal de Justiça requerendo a realização de novo júri, o que foi atendido pelo Poder Judiciário. Em segundo julgamento, os jurados concordaram com a argumentação apresentada pelo Ministério Público, no sentido do denunciado ter concorrido com as agressões com faca contra a vítima fatal, cuja autoria havia sido assumida por um adolescente", ressalta. 

Da sentença cabe recurso e ao réu foi concedido o direito de recorrer em liberdade. 

Entenda o caso  

Conforme a denúncia, no dia 11 de junho de 2016, por volta das 23h, na rua Paulo Pasquali, no bairro Jardim do Lago, o réu, junto com dois adolescentes, matou a vítima a facadas próximo ao centro comunitário. De acordo com o Exame Cadavérico, foram 37 facadas impingidas à vítima, que possuía 17 anos na data dos fatos, grande parte delas na cabeça.

A motivação do crime teria sido desentendimentos anteriores entre os envolvidos, com ameaças de morte e disparos de arma de arma de fogo.

Crédito da foto: Daniely Rapczynski da Silva