O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Integrantes do Gabinete Gestor de Crise do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) se reuniram por videoconferência, na manhã desta sexta-feira (19/2), com Promotores e Promotoras de Justiça das áreas da cidadania e da infância e juventude do estado. Na pauta, medidas para tratar da política de vacinação contra a covid-19 e a atuação do Ministério Público.

A reunião, acompanhada por 59 Promotores e Promotoras de Justiça de todas as comarcas do estado, foi conduzida pelo Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Alexandre Estefani. "O objetivo é que o Promotor de Justiça possa fazer o seu trabalho de fiscalização com todos os instrumentos que já estão à disposição. Nesse sentido, a importância da troca de informações com os Promotores de Justiça das áreas da saúde, cidadania e infância acerca das diretrizes, instrumentos de fiscalização da regularidade e ritmo da vacinação", explicou.

Na sequência, o Coordenador do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CDH), Douglas Martins, destacou a situação de colapso da região Oeste e a grande ocupação de leitos na Grande Florianópolis. Apresentou, então, o atual cenário da vacinação do estado e falou sobre os principais pontos de atuação do MPSC. 

Post

"As normativas editadas nos últimos meses, nos âmbitos federal e estadual, para regrar e organizar a campanha de vacinação contra a covid-19, apesar de bastante completas, têm suscitado inúmeras dúvidas, sendo fundamental esse alinhamento e compartilhamento de informações entre as Promotorias de Justiça para uma atuação mais uniforme e técnica pelo Ministério Público. É preciso acelerar o processo de vacinação para garantir que a aplicação das doses que chegam ao estado ocorra da forma mais rápida possível, com segurança e transparência, em respeito aos princípios da universalidade e equidade do SUS, e o Ministério Público tem trabalhado incansavelmente, em cada comarca do estado, para garantir que isso aconteça", explica.

O Coordenador do CDH lembrou, ainda, da recomendação do MPSC, expedida na segunda-feira (15/2), com uma série de diretrizes a todos os gestores municipais que devem ser encaminhadas pela Federação Catarinense de Municípios (FECAM) para acelerar o processo de vacinação contra a covid-19 em todo o estado. Destacou também que a instituição irá lançar nos próximos dias um painel de dados para auxiliar na transparência das informações da vacinação. 

O Coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude, João Luiz de Carvalho Botega, e a Assessora do Procurador-Geral de Justiça Ariadne Clarissa Klein Sartori também participaram do encontro on-line.