O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de Alessandra Valeska no Tribunal do Júri da Comarca de Gaspar. Ela foi sentenciada a 18 anos por homicídio triplamente qualificado e mais um ano e seis meses por ocultação de cadáver, totalizando 19 anos e seis meses de reclusão em regime inicial fechado. A ré matou a golpes de canivete e pedradas José Moreira da Silva Filho. O crime ocorreu na madrugada do dia 4 de agosto de 2020, no bairro Margem Esquerda, em Gaspar.  

O Conselho de Sentença reconheceu as qualificadoras do homicídio: motivo fútil, dissimulação, traição, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Os jurados também julgaram a denunciada culpada pelo crime de ocultação de cadáver. 

"O laudo pericial atestou que a condenada apresenta elevado grau de violência e indicar sua liberdade põe em risco a ordem pública", sustentou o Juízo, na sentença, ao negar o direito da ré, que esteve presa preventivamente durante o processo, recorrer da decisão em liberdade.  

Como o crime aconteceu  

De acordo com a denúncia do MPSC, era madrugada do dia 4 de janeiro de 2020, em Gaspar, quando Valeska, vulgo "Branca", acompanhada de um adolescente, atentou contra a vida de José Moreira, se aproveitando do estado de embriaguez da vítima. 

Eles participavam de uma confraternização em um conjunto de quitinetes no bairro Margem Esquerda, em Gaspar.  

A condenada e o adolescente enganaram José Moreira, com o pretexto que queriam usar droga e chamar um táxi para a vítima. O levaram a pé até um local deserto e o atacaram pelas costas. Depois de matar, os dois arrastaram o corpo da vítima para um matagal próximo ao rio.