O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Distrito Federal (MPDF) deflagrou, na manhã desta sexta-feira (4/6), a Operação Dinheiro Sujo, que cumpre 22 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em 4 estados (São Paulo, Maranhão, Paraná e Santa Catarina) contra irregularidades na área da saúde. Em apoio à operação, o GAECO catarinense está cumprindo quatro mandados - três no município de Videira e um em São José.

Os mandados foram deferidos pela Justiça Criminal de Brasília e decorrem de uma investigação do GAECO/MPDFT em que se apuram irregularidades em contratações emergenciais de empresas de lavanderia em procedimentos licitatórios da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF). As apurações revelaram que, a despeito da existência de procedimento de contratação regular de lavanderia hospitalar em andamento, os membros do grupo criminoso forjaram uma situação de calamidade para justificar a dispensa do procedimento licitatório e direcionar a contratação de empresas integrantes do grupo.

O GAECO/MPDFT contou com o apoio dos seguintes órgãos: 

- Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado de Santa Catarina - MPSC;

- Centro de Produção, Análise, Difusão e Segurança da Informação (CI/MPDFT);

- Secretaria de Segurança Institucional (SSI/MPDFT);

- Polícia Civil do Distrito Federal (CECOR/DF);

- Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Paraná - MPPR;

- Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Maranhão - MPMA;

- Polícia Civil de São Paulo.