O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

A Subprocuradora-Geral para Assuntos Administrativos do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), Gladys Afonso, representando o Procurador-Geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, deu posse a 10 novos Promotores de Justiça Substitutos, aprovados no 42º Concurso de Ingresso na Carreira. Os novos Membros do MPSC entrarão em exercício no dia 17 de outubro em comarcas de todo o estado.

A cerimônia aconteceu no auditório do MPSC, em Florianópolis, com a presença de autoridades e familiares dos empossados e foi presidida pela Subprocuradora-Geral para Assuntos Administrativos, Gladys Afonso. A leitura do termo de posse foi realizada pela Secretária-Geral do MPSC, Promotora de Justiça Ariadne Klein Sartori. Em seguida, os novos Promotores de Justiça fizeram o juramento, assinaram o termo de posse e receberam a carteira funcional. 

O recém-empossado Promotor de Justiça Substituto Marco Antônio da Gama Luz Júnior discursou em nome dos novos membros. Iniciou sua fala lembrando o caminho que todos traçaram para chegar ao dia de hoje. "Decidir ser Promotor de Justiça é para poucos. Quando tomamos essa decisão, temos de estar cientes e dispostos a assinar um contrato de renúncia e abdicação. Renunciamos a momentos únicos com familiares e amigos, experiências que nos serão subtraídas pelas horas intermináveis, porém, necessárias de estudo. E, depois disso, ao direcionarmos nossos olhares à frente, conseguiremos almejar um futuro com esperança e a certeza de que daremos o nosso melhor para o povo de Santa Catarina", disse. 

Post

O Promotor de Justiça continuou destacando a missão que agora assumem. "Fazer parte dessa instituição, ser membro do Ministério Público é uma missão muito nobre, não por outro motivo, senão pela oportunidade que teremos em realmente servir. Servir a um dos escopos mais honrosos e permanentes de Estado: 'o de manter a ordem jurídica e o regime democrático'. Nesse mister, temos papel de relevo. Jamais nos esqueçamos disso, servir, contudo, sem subserviência".Marco Antônio salientou, ainda, a obrigação com o aprimoramento da democracia. "O grande dever dos membros do Ministério Público é o de resgatar valores, preservá-los, garantir direitos e princípios, e agir incansavelmente na luta pela construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Cuidemos precipuamente de interesses do cidadão, tanto individualmente, quanto em seus interesses difusos e direitos coletivos", disse. "A sociedade confia que as missões da nossa instituição não são desviadas pelos ocasionais detentores do poder político ou institucional, ou submetidas a indevidas pressões, interferências ou ameaças externas. Preservemos isso. Preservemos a confiança da sociedade no Ministério Público", afirmou. 

O Promotor de Justiça ainda agradeceu, em nome dos dez empossados, aos familiares, amores e amigos que incentivaram e acompanharam nessa jornada. "Gosto de uma frase que simboliza todo esse apoio incondicional, frase que ficou marcada em um dos 'meus post its de estudo', bem ao centro do lugar em que eu passava horas lendo. É de Isaac Newton: 'Se eu vi mais longe, se eu cheguei até aqui, é porque estive sobre o ombro de gigantes'. E vocês, familiares, amores, amigos, foram gigantes", disse ao finalizar.  

Post

O Procurador de Justiça Cid Luiz Ribeiro Schmitz deu boas-vindas aos empossados em nome do Colégio de Procuradores de Justiça. "Para nós, membros já em atividade há alguns anos, a vinda de novos colegas sempre é motivo de muito entusiasmo, alegria e, principalmente, de sentimento de renovação necessária para que possamos continuar entregando resultados positivos e eficientes à sociedade catarinense".  

Cid enfatizou as responsabilidades que os novos Promotores de Justiça assumem a partir de hoje. "Ser membro dessa notável Instituição é assinar um contrato de exclusividade na defesa da sociedade, na proteção da ordem jurídica, do regime democrático e dos direitos sociais e individuais indisponíveis", disse. "Temos que ter a consciência e a exata compreensão da responsabilidade sobre o nosso papel a ser desempenhado e que nos foi confiado pela sociedade brasileira em decorrência do trabalho de qualidade e de excelência que vem sendo realizado no decorrer de todos esses anos. Herdamos esse legado de valorosos membros que já lutaram e outros muitos que ainda lutam para que possamos ter a estabilidade necessária para o desempenho de nossas prerrogativas", afirmou. 

Com a experiência de quase três décadas na instituição, o Procurador de Justiça trouxe no discurso conselhos valiosos aos novos integrantes. "Tenho a certeza absoluta de que também não serão poucos os obstáculos que enfrentarão daqui para frente. Enfrentem-nos com a coragem e a convicção de que na vida nada é por acaso e mesmo quando aparecerem as dificuldades, não se esqueçam de agradecer o aprendizado essencial que os fará muito melhores e mais bem preparados para esse desafio que estão abraçando no dia de hoje. E quando alcançarem qualquer êxito em decorrência de suas iniciativas, não se esqueçam de cultivarem a humildade, não transformando a vitória em sentimento de vaidade ou mesmo de superioridade".  E continuou: "Recordem-se sempre de que, mesmo o mais desumano criminoso ou implacável dilapidador do patrimônio público merece respeito e um julgamento justo, não nos cabendo ultrapassar as fronteiras da lei ao ponto de submetê-lo a qualquer vexame ou mesmo insulto. A serenidade e a postura ética profissional devem ser marcas constantes em vossas vidas, demonstrando a todos que a melhor fundamentação jurídica é aquela comprometida com a verdade e com a justiça", disse.