O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

Ao final de dois dias de sessões, em que foram ouvidas 14 testemunhas, o Tribunal do Júri da Comarca de Chapecó acolheu a tese apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e condenou duas mulheres por matarem um casal em janeiro de 2021. Uma delas também foi condenada por ocultar os cadáveres.  

A primeira ré foi sentenciada a 37 anos, 11 meses e seis dias de reclusão, em regime fechado, e ao pagamento de 24 dias-multa, pela prática de dois homicídios duplamente qualificados: por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima, no caso do homem; e por motivo fútil e também recurso que dificultou a defesa da vítima contra a mulher. Ela ainda foi condenada por praticar por duas vezes o crime de ocultação de cadáver.  

Já a segunda ré foi condenada pela prática dos dois homicídios duplamente qualificados e terá de cumprir 30 anos e quatro meses de prisão, também em regime inicial fechado.  

Os Promotores de Justiça Gabriel Cavalett e Marcos José Ferreira da Cruz representaram o Ministério Público nas sessões que ocorreram na segunda (10/10) e terça-feira (11/10). 

Entenda o caso  

Conforme a denúncia, no dia 20 de janeiro de 2021, perto das 18h, as duas acusadas encontraram com o casal num estabelecimento comercial no Bairro São Cristóvão. As rés e o homem eram sócios deste comércio.   

As duas convidaram o casal para ir até outro ponto da cidade com a desculpa de ver um maquinário. Ao chegar no local, o homem foi atingido na cabeça e no tórax por quatro disparos de arma de fogo. O ataque foi feito por um terceiro envolvido no crime, considerado um matador de aluguel, que segue foragido da justiça.   

Na sequência, os três colocaram o corpo da vítima no porta-malas do carro e retornaram até o estabelecimento comercial. Lá as duas rés trocaram de veículo e seguiram o primeiro automóvel - com o corpo do homem e a mulher ainda viva -, na direção do município de Guatambu.   

Elas pararam os veículos na linha Alto da Serra, no interior de Chapecó, local em que a vítima que ainda estava viva foi atingida na cabeça e no tórax por dois disparos de arma de fogo realizados pelo homem que segue foragido. A mulher morreu no local.   

Então, duas covas foram escavadas em meio à vegetação e os cadáveres do casal ocultados. Após, o foragido conduziu o veículo até o município de Trindade do Sul (RS) e o abandonou num posto de combustíveis.  

Os corpos das vítimas foram encontrados no dia 19 de maio de 2021 durante ação da Polícia Civil.   

Os nomes das condenadas e das vítimas não foram divulgados porque o processo segue em segredo de justiça. 

Recursos 

Da sentença cabe recurso, mas às rés foi negado o direito de recorrer em liberdade, pois, segundo o juízo, permanecem os motivos que ensejaram a decretação da prisão preventiva.