O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Após denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a Vara Única da Comarca de Descanso condenou um homem a 33 anos, quatro meses e cinco dias de reclusão, em regime inicial fechado, por estupro e cárcere privado. Ele atacou a babá das crianças e a manteve presa na casa enquanto cometia os abusos. O crime ocorreu em setembro de 2021 no município de Santa Helena, no Extremo Oeste do Estado.  

Conforme a denúncia, a vítima trabalhava como babá das filhas do réu no período da tarde. No dia do ataque, ele a chamou para pernoitar e cuidar das crianças com a desculpa de que teria que trabalhar como segurança. Porém, durante a madrugada, ao retornar para casa, o condenado foi até o quarto onde a vítima dormia junto com as crianças e deitou-se ao lado da babá. Neste momento, ele passou a agarrá-la.  

Na sequência, a vítima tentou se desvencilhar e foi para cozinha. Ele a seguiu e deu início ao abuso. Após o ato, o réu a obrigou, por meio de ameaças e violência, a ir até um dos quartos, onde a estuprou novamente.  

Durante a madrugada em que os abusos ocorreram, o condenado não permitiu que a vítima saísse da residência, mantendo-a em cárcere privado. Porém, por volta das 6h, o réu dormiu, momento em que ela conseguiu fugir e pedir ajuda.  

Da sentença cabe recurso, mas ao réu foi negado o direito de recorrer em liberdade. Ele se encontra em prisão preventiva desde a data do crime e, conforme a sentença, a soltura neste momento poderia pôr em risco a reta e justa aplicação da Lei penal.  

Reincidência 

O réu já havia sido condenado por estupro de vulnerável em 2015, na Comarca de Itapiranga. Na ocasião, ele também abusou da babá das filhas, que na época tinha 13 anos.