O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.






Dois homens denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) foram condenados por homicídio duplamente qualificado - por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa vítima - em sessão do Tribunal do Júri da Comarca da Capital nesta terça-feira (3/8). 

Conforme a denúncia da 36ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital, a vítima teria ido à Favela do Siri para comprar drogas. Ao entrar na comunidade, o homem foi abordado por integrantes de uma facção criminosa e levado até uma casa.  

Os réus Deivid Fernandes e Daniel Amorim foram até a casa e mataram o homem com pelo menos três tiros. A vítima também foi golpeada com um vaso sanitário na cabeça. Deivid e Daniel eram integrantes de uma facção criminosa e mataram o homem por acreditar que ele seria de uma facção rival. O crime ocorreu em 4 de fevereiro de 2017. 

O Conselho de Sentença considerou os réus culpados por homicídio duplamente qualificado - por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima. Deivid foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado. Daniel foi condenado a 16 anos e seis meses de reclusão, também em regime inicial fechado. As penas foram aumentadas pelo envolvimento com organização criminosa. A decisão é passível de recurso, mas os homens não poderão recorrer em liberdade.