O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post
Você sabe de onde vem a fruta ou a verdura que está na sua mesa? A partir da rastreabilidade dos produtos agrícolas no Estado será possível acessar essa e outras informações a respeito dos vegetais in natura e minimamente processados que você consome. A Portaria que trata do tema entra em vigor nesta quinta-feira. 

O processo de adaptação e o sistema adaptado para atender à Portaria foi tema central da reunião plenária do Fórum Catarinense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, realizada no dia 04/08. A palestra "Identificação da origem dos produtos como instrumentos da adequação das lavouras" foi ministrada pelo Engenheiro Agrônomo Alexandre Mees, gestor da Divisão de Defesa Sanitária e Vegetal (DIDEV), da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina(CIDASC), e pela Nutricionista Michelle Vieira Ebone, da Divisão de Alimentos da Vigilância Sanitária catarinense.

A Portaria Conjunta SES/SAR n° 459 de 07/06/2016 estabelece o prazo de um ano para que os fornecedores de produtos vegetais in natura e minimamente processados promovam as adequações para cumprimento da legislação de rastreabilidade de frutas, verduras e legumes.

A Portaria foi elaborada pela Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Diretoria de Vigilância Sanitária, e pela Secretaria de Estado da Agricultura e Pesca, por intermédio da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (EPAGRI).

Por meio da Portaria, a CIDASC pretende implementar a rotulagem nos produtos como forma de informar o consumidor sobre quem produziu e quem distribuiu o alimento e possibilitar que o poder público tenha condições de apurar responsabilidades relacionadas à contaminações nos alimentos.

Dentre as adaptações necessárias para que o produtor rural possa se adequar à Portaria, o Sistema de Gestão da Defesa Agropecuária Catarinense (SIGEN+) foi ajustado às necessidades. O Sistema possibilita que o produtor registre, por exemplo, a estimativa de quantidade, a coordenada geográfica e época da produção e qual é o produto comercializado. Com o SIGEN o produtor também poderá gerar etiqueta padronizada para o seu produto e terá acesso a opções de caderno de campo.

O Engenheiro Agrônomo Alexandre explica que em questão de um mês iniciarão a utilização do sistema com produtores que se disponibilizarem a participar da fase experimental do projeto-piloto e a partir daí o atendimento será realizado gradativamente. O engenheiro explicou, ainda, que a rastreabilidade dos produtos não é apenas o cadastro ou registro, mas sim um conjunto de processos que busca acompanhar a movimentação de um produto ao longo da cadeia produtiva. Podem fazer parte dessa cadeia produtor -  embalador - atravessador - distribuidor - comércio.

Para a CIDASC e para a Vigilância Sanitária, a Portaria é um avanço na questão da fiscalização. Agora será possível identificar o produtor que utilizar agrotóxicos não permitidos ou com os limites acima dos autorizados, por exemplo. Além disso será possível ter um maior controle de parasitas e pragas.

Para o consumidor, a vantagem está em ter acesso a um código de consulta gerado pelo sistema que possibilitará saber de onde vem o alimento e seu local de produção. Agora, caso você tenha interesse em saber em qual propriedade seu alimento foi produzido e por quem, a informação estará disponível na internet.

O Programa Alimento Sem Risco, do Ministério Público de Santa Catarina, esteve envolvido na elaboração da Portaria. A Coordenadora-Geral do Fórum e coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO), Promotora de Justiça Greicia Malheiros da Rosa Souza, explica que o processo de criação da norma foi motivado pela necessidade de auxiliar o produtor a se adequar a legislação, já que, antes mesmo da edição da resolução, o Código de Defesa do Consumidor e outra normativas já determinam que todos os produtos comercializados tenham a identificação da origem. A resolução nasceu, então, para detalhar como essa identificação será feita, trazendo, ainda, a alternativa de adoção do caderno de campo e emissão da etiqueta de forma gratuita.

Durante a reunião também foi aberto espaço para debater dúvidas quanto às adequações necessárias e implementação da Portaria. Também foram apresentadas pela diretoria do Fórum a situação das moções e ofícios encaminhados anteriormente.

Saiba mais sobre o FCCIAT

Fomentado pelo MPSC, Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Trabalho (MPT), o Fórum foi criado em fevereiro de 2015 com a finalidade de instituir um espaço de debate para formulação de propostas, discussão e fiscalização de políticas públicas relacionadas aos impactos dos agrotóxicos e transgênicos na saúde da população. Atualmente, mais de 80 instituições públicas e privadas integram o grupo.

RÁDIO MPSC

OUÇA MAIS

Em reportagem especial, a Rádio MPSC traz mais informações sobre a utilização dos agrotóxicos.  A Coordenadora do Fórum, Promotora de Justiça Greicia Malheiros, fala sobre o programa "Alimento sem Risco", do MPSC