O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.




O município de Itajaí acatou a recomendação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e revogou o decreto que suspendia as aulas presenciais. 

A recomendação, da 4ª Promotoria de Justiça de Itajaí, foi expedida nesta sexta-feira após um decreto ter sido publicado na quinta-feira suspendendo as aulas presenciais nas unidades das redes pública e privada de ensino municipal, estadual e federal.

Na recomendação, a Promotoria de Justiça afirma que há inversão de prioridades nas práticas sociais, das instituições e dos entes públicos, considerando que, enquanto outras atividades estão liberadas, em tese com embasamento científico, há evidente descaso social com a educação - atividade para a qual "há um estudo internacional acerca do recomeço das aulas presenciais, demonstrando, em suma, que as escolas não interferem na transmissão comunitária do vírus e, também, que é muito importante criar uma cultura de confiança entre secretaria e rede, e entre escola e comunidade escolar", destaca. 

A Promotoria de Justiça salienta, ainda, que as aulas devem ser mantidas, mas seguindo todos os protocolos para garantir a segurança de alunos, professores e funcionários. 

O MPSC alerta também que a suspensão prolongada das atividades presenciais pode trazer prejuízos à saúde mental de crianças e adolescentes. "A demora no atendimento dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes pode trazer repercussões para toda a sua vida, de uma maneira muito mais intensa do que aconteceria em outras etapas da vida. Assim, é inquestionável que qualquer medida a ser adotada pelo Poder Público, seja no contexto da pandemia ou fora dele, deve necessariamente levar em consideração a prioridade - que é absoluta, portanto, deve se colocar à frente de todas as demais prioridades - garantida constitucionalmente às crianças e aos adolescentes", afirma a Promotora de Justiça. 

A recomendação foi acatada pelo município e as aulas devem continuar normalmente na segunda-feira (1º/3).