O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.





O homem que teria matado com 14 facadas uma mulher com quem dividia um apartamento em Joinville, na frente do filho dela de 1 ano e 8 meses, e escondido o corpo embaixo da cama está sendo acusado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por homicídio quadruplamente qualificado, abandono de incapaz e fraude processual. A ação penal contra o suposto autor do crime foi ajuizada no dia 13 de agosto e já foi recebida pela Justiça. 

A denúncia foi ajuizada pela 22ª Promotoria de Justiça da Comarca de Joinville e relata os crimes supostamente praticados pelo acusado no dia 23 de julho deste ano contra a mulher, com quem dividia um apartamento no bairro Paranaguamirim, em Joinville. 

Segundo a denúncia, diante da recusa da mulher em praticar sexo com ele, o homem teria investido contra a vítima e lhe desferido 14 facadas, sem que ela tivesse qualquer possibilidade de defesa. O crime foi cometido na presença do filho da mulher, de apenas 1 ano e 8 meses, que morava no mesmo apartamento. 

Em seguida, o réu escondeu o corpo da vítima embaixo de uma cama e abandonou a criança em uma rua vazia, na madrugada de inverno, a uma distância considerável do apartamento, apenas de fralda e regata. A criança foi encontrada às 6 horas do dia seguinte, com o corpo frio, vagando sozinha pelas ruas. 

Para o Promotor de Justiça Ricardo Paladino, autor da ação penal, o suposto homicídio possui quatro qualificadoras: motivo fútil, impossibilidade de defesa da vítima, uso de meio cruel e por se tratar de feminicídio - ou seja, por ter sido praticado contra a mulher no âmbito de relações domésticas.  

O réu foi denunciado pelo MPSC, ainda, por abando de incapaz, já que teria largado a criança na rua, e fraude processual, pois teria alterado a cena do crime ao esconder o corpo e lavar a casa e as roupas, na intenção de encobrir os vestígios. 

A denúncia do Ministério Público já foi recebida pela Justiça, o que significa que o acusado, que está foragido, tornou-se réu em ação penal, na qual terá o direito à defesa e ao contraditório.