Post

Nesta sexta-feira (1/9), aconteceu a terceira edição do evento "Doenças mentais: falar para prevenir, conhecer para tratar", na Sede do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), em Florianópolis.

O objetivo do encontro foi tratar do combate e da prevenção ao suicídio, desconstruindo mitos e incentivando o diálogo sobre o tema. Esta edição teve como público-alvo os adolescentes e seus familiares, em razão de temas polêmicos que estiveram em pauta recentemente na mídia e nas redes sociais. Drogas, cyberbullying, o desafio da Baleia Azul e a série norte-americana "13 Reasons Why" foram alguns dos assuntos debatidos pelos especialistas.

A Coordenadora-Adjunta do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor, Promotora de Justiça Caroline Cabral Zonta, falou sobre a importância de falar sobre o suicídio. "Quanto mais falarmos sobre o assunto, mais poderemos prevenir. De 10 suicídios 9 poderiam ser evitados se as pessoas tivessem mais informação. Precisamos ter a informação para prevenir para que o fato não chegue a outras famílias. Quanto mais falarmos e incentivarmos que as pessoas busquem ajuda de especialistas, vamos quebrar os tabus e salvar vidas", disse.

A presidente da Associação Catarinense de Psiquiatria, Lilian Schwanu Lucas, destacou o trabalho da entidade: "nosso objetivo é diminuir o estigma sobre o suicídio para que mais pessoas tenham acesso ao tratamento adequado", afirmou. "Precisamos lembrar que a mente da gente também é um órgão do corpo que pode adoecer", disse.

O Subprocurador de Justiça para Assuntos Institucionais do MPSC, Fábio de Souza Trajano, destacou "Infelizmente todos nós vamos conhecer alguém que está com um problema ou nós mesmos podemos estar vivendo algum momento difícil.  Precisamos tratar com o assunto com naturalidade, oferecer ou até mesmo pedir ajuda. Abrir as portas do MPSC para a sociedade conhecer um pouco mais sobre esse tema é fundamental para diminuirmos os números alarmantes de suicídio", disse.  


Post

Jovens e as drogas

A primeira palestra foi com o psiquiatra Frederico Duarte Garcia.  Ele é especialista em Políticas Públicas sobre drogas. Durante a palestra explicou sobre os danos causados pelo uso de drogas.  "Na adolescência, há uma "explosão" de conexão dos neurônios. Desenvolvimento de habilidades e aumento da impulsividade. Qualquer coisa que interfira nas etapas de desenvolvimento do ser humano vai retardar ou impedir que esse desenvolvimento aconteça", disse.

O psiquiatra reforçou que o uso de drogas danifica o cérebro tornando o jovem mais impulsivo e mais incapaz de tolerar os problemas da vida. "Esse uso também desinibe o medo de se suicidar, o que leva uma pessoa com dependência química a se tornar uma pessoa com mais risco de suicídio", afirmou.

Para encerrar destacou a importância de prevenir o consumo das drogas. "Quando a gente quer prevenir droga, a gente quer prevenir os comportamentos de risco e o sofrimento mental".


Post

Suicídio: precisamos falar sobre isso

Em seguida a médica psiquiatra Alexandrina Maria Augusto da Silva Meleiro falou sobre a prevenção do suicídio. De acordo com os dados apresentados, o Brasil está entre os países em que o suicídio cresceu, principalmente entre jovens. A Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que 96% das pessoas que morreram por suicídio tinham um transtorno mental.  "Um dos transtornos mentais que mais leva ao suicídio é a depressão e em seguida a dependência química", disse a psiquiatra.

"Precisamos ficar atentos aos detalhes que demonstram sinais de depressão. A pessoa que dá sinais de suicídio tem o desejo de viver e morrer e é na 'brecha' de querer viver é que temos a oportunidade de resgatar a pessoa deste momento depressivo. Precisamos mostrar opções que para cada problema tem uma solução", enfatizou.