O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.




Um casal denunciado pela Promotoria de Justiça de Ipumirim por abusar sexualmente de duas meninas durante cinco anos no município de Arabutã foi condenado por estupro de vulnerável. As vítimas eram filhas da mulher e enteadas do homem e tinham 8 e 11 anos de idade na época em que os crimes começaram a ser praticados. Os dois foram condenados por 297 estupros no período. As penas são de 67 anos, 4 meses e 26 dias de reclusão para o padrasto e de 65 anos de reclusão para a mãe das meninas.

As sentenças devem ser cumpridas em regime inicial fechado e os dois não podem recorrer em liberdade, pois já cumpriam prisão preventiva e os motivos que levaram à adoção dessa medida ainda estão presentes.

Conforme apurado durante as investigações, o denunciado era padrasto das meninas e, com o aval da mãe delas, estuprava e praticava atos libidinosos com as vítimas pelo menos uma vez por semana. As apurações constataram, inclusive, que em algumas das ocasiões a denunciada chegou a levar a filha de 11 anos até um motel da região para que o denunciado praticasse os crimes.

As vítimas receberão R$ 50 mil por danos morais, pois cada réu também foi condenado a pagar a quantia de R$ 25.000,00 a cada uma como indenização.


Rádio MPSC

Ouça o MPSC Noticias com o Promotor de Justiça Stefano Garcia da Silveira, que fala mais sobre o caso.

Faça o download do áudio aqui!