O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um médico psiquiatra acusado de estupro foi preso preventivamente em Joinville na manhã desta sexta-feira (1/10). O Ministério Público ajuizou ação penal contra o médico na quarta-feira (29/9), quando também se manifestou favoravelmente ao pedido de prisão feito pela autoridade policial.  

Ação já foi recebida pelo Poder Judiciário e o mandado cumprido pela Polícia Civil. O preso foi conduzido para o Complexo Prisional de Joinville. A ação ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Joinville relata que o médico, de 64 anos, teria estuprado uma paciente em uma das unidades básicas de saúde do Município, onde trabalhava, aproveitando-se da fragilidade emocional da vítima, a quem teria feito ameaças após o suposto abuso sexual. 

Ao se manifestar pela prisão preventiva, o Promotor de Justiça Germano Krause de Freitas destacou a gravidade da conduta do médico, a necessidade de evitar a reiteração da prática criminosa e pela conveniência da instrução criminal, uma vez que há outras denúncias contra o médico sendo investigadas pela Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) de Joinville. 

As denúncias foram recebidas pela Secretaria de Saúde do Município - que já exonerou o médico em agosto - e encaminhadas para investigação policial. O médico responde a cinco processos administrativos disciplinares e há contra ele pelo menos 35 relatos recebidos pela Secretaria devido à conduta inadequada, algumas delas referindo-se a suposto assédio sexual. 

Segundo o Promotor de Justiça, podem haver mais vítimas de possíveis crimes sexuais praticados pelo médico. "Eventualmente, se houver mais alguma vítima, orientamos que procure a Delegacia de Polícia ou o Ministério Público, a fim de que o caso possa ser investigado e o culpado punido pelo crime", completa Krause de Freitas. 

O nome do médico não é divulgado em função da ação tramitar em segredo de Justiça, a fim de preservar a intimidade da vítima.